Rompendo o silêncio do sufoco: A escrita de Esmeralda Ribeiro e Miriam Alves nos Cadernos Negros (Vol.8)

  • Maria Clara Martins Cavalcanti Universidade Estadual de Campinas
Palabras clave: Literatura, Género, Raza, Cadernos Negros.

Resumen

En un contexto impregnado por diversas opresiones de raza y género, la escritura de mujeres negras en Brasil se ha configurado históricamente como un potente espacio para el ejercicio de la creatividad y la reelaboración de su propia existencia, donde el acto de escribir se convierte en un acto político de coraje y la ficción, una especie de refugio. Las escritoras negras Esmeralda Ribeiro y Miriam Alves, en sus historias publicadas en la colección Cadernos Negros Vol.8 (1985), abordan cuestiones de raza y género, denunciando las relaciones de poder, los estereotipos misóginos y racistas y, principalmente, construyen discursos sobre mujeres negras, en una escritura sobre sí y para sí. De esta manera, este trabajo busca comprender, apoyado por los pensamientos de intelectuales como Patricia Hill Collins, Bell Hooks, Conceição Evaristo, Gloria Anzaldua y Sueli Carneiro, las interrelaciones y las complejidades de los temas relacionados con el género y la raza que abarcan la literatura de Esmeralda y Miriam. También espero comprender las formas en que se construyen narrativas de “contraconducta” que se configuran como formas de resistencia a los mecanismos de poder y dominación como los generados por el racismo y el patriarcado.

Biografía del autor/a

Maria Clara Martins Cavalcanti, Universidade Estadual de Campinas
Licenciada em História pela Universidade Federal Fluminense. Atualmente realizando mestrado na área de História Cultural, na linha de Gênero e Subjetividades, da Universidade Estadual de Campinas. Desenvolve pesquisa em torno das temáticas de gênero, raça e críticas feminista à cultura.

Citas

ALVES, Miriam (1985). Miriam Alves (depoimento). In: QUILOMBHOJE. Cadernos Negros 8 - Contos. São Paulo: Edição dos Autores.

___________. (1985). Um só gole. In: QUILOMBHOJE. Cadernos Negros 8 - Contos. São Paulo: Edição dos Autores, 1985.

ANZALDÚA, Gloria (1987) Borderlands/La Frontera: The New Mestiza. Aunt Lute Books, San Francisco.

ANZALDÚA, Gloria (2000).” Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo”, in Revista Estudos Feminista, N 229.

BHABHA, Homi K (1998). O local da cultura. Ed. da UFMG, Belo Horizonte.

CARNEIRO, Aparecida Sueli (2005). A Construção do Outro como Não-Ser como fundamento do Ser. Feusp, São Paulo. (Tese de doutorado)

CARONE, I; BENTO, M. A. S. (2002). Psicologia social do racismo. Vozes, Petrópolis.

COLLINS, Patricia Hill (2016). “Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro” in Revista Sociedade e Estado, Volume 31, N 1.

DALCASTAGNÈ, Regina (2002). Uma voz ao Sol: representação e legitimidade na narrativa brasileira Contemporânea in Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea. Brasília: julho/agosto, Nº 20.

DUARTE, Eduardo de Assis (2007). Literatura afro-brasileira: um conceito em construção; Márcio Barbosa; Esmeralda Ribeiro. (Org.). In A mente afro-brasileira: crítica literária e cultural afro-brasileira contemporânea/The afro-brazilian mind: contemporary afrobrazilian literary and cultural criticism. Trenton - EUA: Africa World Press, Inc., v. 1, p. 103-112.

EVARISTO, Conceição (2011). Literatura negra: uma poética de nossa afro-brasilidade. In: SILVA, Denise Almeida; EVARISTO, Conceição. (Org.). Literatura, história, etnicidade e educação: estudos nos contextos afro-brasileiro, africano e da diáspora africana. Frederico Westphalen: URI.

FOUCAULT, Michel (2008). Nascimento da Biopolítica: curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes.

________________. (1997). A Ordem do Discurso. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola.

________________. (1988). A história da sexualidade: a vontade de saber. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Grall.

GILLIAM, Doris Waddell (2013). I Have to Know Who I Am": An Africana Womanist Analysis of Afro-Brazilian Identity in the Literature of Miriam Alves, Esmeralda Ribeiro and Conceição Evaristo. A Dissertation submitted to the College of Arts and Sciences in partial fulfillment of the requirements for the degree of Doctor of Philosophy.

hooks, bell (2019). Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra. Editora Elefante, São Paulo.

________. (1995). “Vivendo de amor”. In: WERNECK, Jurema et al. (Orgs.). O livro da saúde das mulheres: nossos passos vêm de longe. 2ª edição. Rio Janeiro: Pallas.

RAGO, Margareth (1998). Epistemologia feminista, gênero e história. In: PEDRO, Joana; GROSSI, Miriam (orgs). Masculino, feminino, plural. Florianópolis: Ed. Mulheres, 1998.

REALCE, Anita (1987). Anita Realce (depoimento). In: QUILOMBHOJE. Cadernos Negros 8 - Contos. São Paulo: Edição dos Autores, p. 7.

____________. (1985). Penumbra. In: QUILOMBHOJE. Cadernos Negros 8 - Contos. São Paulo: Edição dos Autores.

RIBEIRO, Esmeralda (1987). A Escritora negra e o seu ato de escrever participando”. In Silva, Luiz (Cuti), Alves, Miriam; e Xavier, Arnaldo (orgs.) Criação crioula, nu elefante branco. São Paulo: Secretaria de Estado e Cultura.

________________. (2002). A narrativa feminina publicada nos Cadernos Negros sai do quarto de despejo”. In: DUARTE, Constância Lima et al. (orgs.) Gênero e representação na literatura brasileira. Vol. II. Belo Horizonte: UFMG, p. 229-233.

________________. (1985). Esmeralda Ribeiro (depoimento). In: QUILOMBHOJE. Cadernos Negros 8 - Contos. São Paulo: Edição dos Autores, p. 9-10

_________________. (1985). Ogum. In: QUILOMBHOJE. Cadernos Negros 8 - Contos. São Paulo: Edição dos Autores.

SILVA, Tadeu Tomaz (2007). A produção social da identidade e da diferença. In: Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. 7ª Ed. Rio de Janeiro: Vozes.

Publicado
2019-12-16
Sección
Artículos